Menu

Entre levitas e menorás

Com o Templo de Salomão, Igreja Universal busca maneiras de se reinventar em meio a uma concorrência crescente.

Recebi um convite para participar de uma cerimônia no recém-inaugurado Templo de Salomão depois de ter sido incluído numa lista com nomes de colegas professores e alunos que seria submetida a alguém da Igreja Universal do Reino de Deus. Recebi então o convite para o chamado “Congresso de Pastores Evangélicos”, acompanhado de um cartão com as regras a serem seguidas no local e uma fita de identificação autorizando, somente para aquele dia e hora, o trânsito pelo santuário.

No dia marcado, acompanhado de minha mulher – que recebeu a orientação para não ir de calças compridas ou blusa com decote –, estacionei num enorme espaço nos subterrâneos do prédio, com capacidade para aproximadamente dois mil veículos. Na entrada, rapazes com batas brancas e um cordão como cinto, chamados de “levitas”, recebiam os visitantes com uma saudação hebraica: “Shalom”, à qual respondi com um não menos simpático “bom dia”. A nave do templo permaneceu na penumbra durante o tempo de espera, com uma música orquestral de fundo e clipes com imagens filmadas na região do Sinai ou em cenários cinematográficos.

Às nove horas da manhã, começou a apresentação de um pequeno filme em projeção de 180 graus, contendo uma síntese da história de Abraão até o surgimento da Universal. Aliás, a qualidade das imagens e do som era excelente. Quando as luzes se acenderam, abriram-se as cortinas e o bispo Edir Macedo entrou acompanhado de um pequeno grupo de “levitas”. A cortina, na verdade, é um enorme véu – e por detrás dela, apesar da escuridão da nave do templo, dava para ver as palavras grafadas seguindo a curvatura das letras hebraicas: “Santidade ao Senhor”. No centro do palco, também chamado de “Altar de Deus”, estava uma enorme réplica da arca da aliança e um candelabro com sete luzes acesas. Aparentemente, os dois objetos são folheados ou banhados a ouro.     

O bispo e os “levitas” se ajoelharam diante da arca e, depois de uma breve oração, saíram todos, menos Macedo. O bispo, então, começou a cerimônia, seguindo-se uma ordem litúrgica simples, tal como ocorre nos demais templos da Iurd. Edir Macedo vestia terno e gravata, com um quipá na cabeça e uma capa com bordados judaicos sobre os ombros. Durante os 90 minutos seguintes, houve orações, cânticos e momentos reservados às ofertas, entremeados de curtos momentos de pregação, tudo sempre acompanhado por uma discreta música de fundo. Na hora das ofertas, as pessoas levaram seus envelopes à frente. Uns depositaram-nas em cofres; outros, nas salvas trazidas pelos “levitas”. Outro obreiro, com uma maquininha online, esperava pacientemente que alguns doadores, em uma pequena fila, digitassem as suas senhas de banco e o valor a ser depositado na conta da igreja.

O clima do culto parecia se inspirar quase que exclusivamente no Antigo Testamento. Aliás, essa tem sido a fonte de legitimação não somente para a Igreja Universal como para outras denominações pentecostais, que têm se entregado, desde os anos 1990, a uma onda de “judaização” crescente. A bem da verdade, a Iurd não é pioneira neste sentido na América Latina. A partir do Peru, está se espalhando pela região amazônica a Igreja Israelita do Novo Pacto Universal, ligada a grupos cristãos sionistas do Chile e da Colômbia. Surgida nos anos 1960, a instituição celebra as festas judaicas – e, em suas cerimônias, os fiéis se vestem a caráter e realizam sacrifícios de animais. Muito antes disso, ainda no século 19, o Adventismo do Sétimo Dia focou parte de suas doutrinas nas tradições judaicas e no Antigo Testamento.  Desde os anos 1980, no Brasil, a pastora Valnice Milhomens, da Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo, comemora a Festa dos Tabernáculos ou das Cabanas. Devem-se acrescentar, aqui, algumas comunidades judaicas chamadas de messiânicas, que aceitam Jesus de Nazaré como Messias; mas, ao mesmo tempo, reproduzem festas judaicas e ordens de culto tirados das sinagogas, usando-se, para isso, vestes, costumes e hábitos tipicamente judaicos.

Magali do Nascimento Cunha, professora de pós-graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, menciona alguns exemplos de como o processo de ressignificação de símbolos do Antigo Testamento estão presentes na comunidade evangélica dos dias de hoje. “Expressões-chave retiradas do Antigo Testamento bíblico passam a representar o tipo da prática e de qualidade da relação dos fiéis com Deus”, explica. “O Senhor é identificado como ‘Rei’ e ‘General’ e relacionado a poder, domínio e majestade”. Por outro lado, ela observa que inúmeras canções de artistas gospel usam expressões como “chegar ao santo dos santos”; “estar nos átrios de Deus”, “trazer a arca”, “trazer o sacrifício” etc.

IMAGINÁRIO JUDAICO

As ligações da Universal ao imaginário judaico são enormes. É famosa, na denominação, a campanha intitulada Fogueira Santa de Israel, quando orações e ofertas dos fiéis são acompanhadas de pedidos por escrito de bênçãos específicas. A Igreja diz que os papéis são depois queimados e as cinzas, levadas pelos bispos para os montes situados na região do Sinai. Desde há muito, a Iurd tem ensinado que Israel é a “Terra Santa”; portanto, o óleo de oliveiras da Galileia, o sal do mar Morto e outros materiais trazidos de lá, como água, areia ou pedras, são muito valorizados por seus supostos poderes curativos ou pela alegada capacidade de produzir milagres econômicos na vida dos fiéis.

Outra evidência dessa aproximação é a ênfase na necessidade de o ser humano estabelecer uma aliança com Deus, como fizeram os patriarcas do Antigo Testamento. Mediante contribuições financeiras à igreja, Deus ficaria comprometido em atender a todos os pedidos – uma espécie de contrato feito entre o céu e a terra, tendo a Igreja Universal como intermediária. A arca da aliança exposta no templo, portanto, é a exteriorização desse contrato que Deus fez com Israel por meio de Moisés, ainda no deserto. Quando firmado hoje, é a garantia de que a bênção pedida será concedida, desde que o fiel aja com muita fé e faça a sua parte corretamente. Isso, pelo menos, é o prometido pelos pastores e bispos. Se algo der errado, a culpa não é da Igreja: o fiel é que não conseguiu cumprir todas as cláusulas da aliança feita com Deus.

Com o Templo de Salomão, verifica-se a exacerbação de um processo que já vinha sendo implantado há muito tempo na Universal. A sacralização do espaço religioso é algo que vem da tradição católica, dos cultos afrobrasileiros e das Escrituras judaicas, mais do que do Cristianismo protestante. No espaço ao redor do templo, foram plantados 12 pés de oliveira, para representar as doze tribos de Israel. E, à semelhança dos antigos templos católicos, há na sede mundial da Universal espaço para os túmulos onde, possivelmente, Macedo, seus familiares e figuras ilustres da igreja serão sepultados. Convém lembrar, no entanto, que Jesus insistia na temporalidade do templo de Jerusalém e dizia que, a despeito de sua beleza e do destaque que tinha na vida religiosa judaica na época, seria completamente destruído – e que o próprio Filho de Deus deixou claro que seus seguidores poderiam se reunir em qualquer lugar, sem preocupação com estruturas e quantidade de pessoas presentes.

Inteligentemente, os líderes da Igreja Universal fizeram uma adaptação das regras que regiam o templo da Israel. Excluíram, por exemplo, a proibição à entrada de mulheres, de pessoas de outras etnias ou portadores de deficiência física, o que seria inadmissível nos dias de hoje. Também não há sacrifícios de animais, rito que jamais voltou a ser praticado pelos judeus depois da destruição, pelos romanos, do templo de Jerusalém, no início de nossa Era.

O modelo seguido na construção da réplica do templo é outro ponto interessante, já que há divergência entre historiadores e pesquisadores a esse respeito. Arqueólogos como Israel Finkelstein consideram que a construção erguida pelo rei Salomão foi parte de uma saga histórica, contida na Bíblia desde o encontro de Abraão com Deus até o surgimento e queda dos reinos de Israel e Judá. Por outro lado, algumas correntes duvidam até da existência daquele templo, já que as únicas referências a ele estão na Bíblia. Essa discussão coloca um distanciamento entre fatos e mitos e levanta algumas questões. A partir de qual modelo Edir Macedo teria projetado a sua réplica? Onde ele teria se inspirado ou se motivado a projetá-lo, além das descrições e medidas registradas na Bíblia? Até que ponto ele se valeu do imaginário religioso brasileiro, no qual a ideia de majestosas catedrais católicas ocupa um importante lugar?

A réplica do templo judeu plantada em São Paulo tenta fazer conexão mística com a santidade de uma construção que não mais existe – ou nunca existiu, segundo os mais céticos. Porém, a Universal necessita ter, por causa de sua simbologia, um lugar que seja uma espécie de centro do mundo; um espaço que possa ser considerado shekinah (morada de Deus) num mundo de crescente secularização. Portanto, a construção está conectado à Terra Santa, de onde provêm a água do rio Jordão, a areia do Sinai e as pedras santificadas que foram colocadas em suas paredes. Paredes sólidas, que parecem representar o esforço da Igreja Universal do Reino de Deus em construir a imagem de uma denominação religiosa estável, que veio para ficar e se espalhar pelo Brasil e pelo mundo.

CONCORRÊNCIA

A construção do Templo de Salomão é o ponto mais alto de um processo que começou num coreto de subúrbio. Mais tarde, a Iurd ocupou salas de cinemas decadentes e passou a adaptar galpões abandonados como casas de culto para centenas, milhares de pessoas. Curiosamente, a importância que Macedo dá ao antigo templo hebreu parece ter muita semelhança com a relevância simbólica que aquela construção tem para o pensamento e os rituais da franco-maçonaria. A Igreja Universal e seu fundador necessitam de espaços sacralizados, que exorcizem um passado de desprestígio e de negação da grandeza atual e demarquem fronteiras entre o sagrado e o profano numa sociedade em que tais limites são cada vez mais dissolvidos.

Ao mesmo tempo, os templos majestosos que a Iurd exibe hoje estão interligados às catedrais eletrônicas, que são as suas emissoras de rádio e de televisão, onde a fé é teatralizada por meio de liturgias hibridamente construídas, que exigem a presença dos fiéis maciçamente e onde se expõem as influências da psicologia das massas e da hegemonia das leis do mercado. Pois é exatamente nos megatemplos que se coloca em prática, com mais facilidade, as formas de associação e hierarquização dos valores e das crenças, tendo como eixo uma cultura gospel e mercadológica. Nesses espaços em que tudo é grande, as crenças são reconfiguradas e adquirem novos significados; uma massa recrutada nas classes médias baixas e nas camadas oriundas das classes “C” e “D” consome avidamente os produtos religiosos oferecidos em busca de uma vida melhor aqui e agora.

Com isso, Macedo ataca rivais incômodos, como Valdemiro Santiago, ex-bispo da Iurd e hoje o exitoso líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, que nos últimos dez anos absorveu fatia significativa do público de Macedo e mostrou-se um adversário forte na TV. Ao mesmo tempo, ao não colocar o nome da Igreja na frente do templo, tenta ele diminuir as desconfianças existentes entre evangélicos, católicos e judeus frente aos seus empreendimentos. É preciso, diante do pluralismo e da concorrência cada vez mais predatória, reforçar o que deu certo e partir para novas formas de ser Universal – e de conquistar visibilidade numa sociedade em que a mídia tem se mostrado avessa a esta igreja e seus pastores, bispos e fiéis.

Leonildo Silveira Campos é pastor aposentado da Igreja Presbiteriana Independente, doutor em Ciências da Religião e professor efetivo do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie e professor-colaborador da Universidade Metodista de São Paulo

voltar ao topo