Menu

Riqueza que poucos desejam

Com sabedoria, administramos e conduzimos a vida em parceria com o Criador.

Vivemos em uma sociedade de consumo que nos assola o tempo todo. Os anos vão passando e este forte vento toma nossas mentes e corações, criando constantes tensões existenciais. O sentido da vida do ser humano vai se delineando naquilo que ele tem e consegue adquirir; todos os tipos de produtos nos são oferecidos de maneira avassaladora, em todos os segmentos da mídia. O processo é tão forte, opressivo, contaminador e destrutivo como a força de um tsunami. A própria fé e a espiritualidade ganharam conteúdo e contornos de produtos em oferta – e, em diversas e equivocadas compreensões teológicas, não passam de bens de consumo.

Nessa ótica, valemos pelo que temos e não pelo que somos, com nossas características de pessoalidade, como simples seres humanos criados à imagem do seu Criador. O deus equivocadamente cultuado por multidões é aquele que está sempre pronto a servir, o que encontra eco nas mensagens, nos livros, no imaginário. Ele se manifesta e encontra guarida na dura realidade que muitos vivem, às vezes de forma sutil e espiritualizada por discursos que garantem o sucesso de quem nele crer. Enquanto isso, a distorcida e maldita palavra "relevância" vai sendo nutrida erroneamente.


Houve um jovem rei que viveu cerca de 3 mil anos atrás e que escreveu milhares de provérbios e mais de mil cânticos. Sob o peso da responsabilidade que lhe foi confiada diante de seu povo como liderança e referencial, ele humildemente buscou uma riqueza maior e que poucos desejam, inclusive entre os cristãos. Salomão teve a sensibilidade de buscar e clamar por sabedoria. Na formação espiritual das pessoas de hoje em dia, poucas vezes ouvimos que ela deveria ser uma prioridade. Mas a sabedoria é uma riqueza. Ela vai bem além do conhecimento ou da cultura que se possa conquistar; sabedoria é a habilidade dada pelo Espírito Santo de Deus de exercitar, aplicar e praticar, de maneira simples, correta e profunda o que foi adquirido na caminhada da fé através da instrução, da mentoria, do discipulado ou da leitura. É a arte e capacidade dada pelo Espírito e oferecida graciosamente pelo próprio Deus a todo que a pede conscientemente e de coração. Uma pérola que, infelizmente, poucos desejam.


Talvez, a insensatez seja uma das maiores características da vida de cristãos e da maneira comunitária como vivem. A insensatez está presente na história da Igreja no desperdício dessa sabedoria por tantos homens e mulheres de Deus, em tantas épocas e nas coisas mais cotidianas da vida. Tal carência é um dos sinais mais visíveis da caótica realidade da Igreja hoje, dentro e fora do Brasil. É um componente dos mais tristes que acompanham hoje a vida de pais de família e líderes da comunidade cristã. Insensatez e tolice são os sinais que mais trazem a destruição da sanidade nos relacionamentos construídos e nos projetos que tentamos fazer em nome de Deus como igreja e envolvidos na obra de missões. A sabedoria tem sido desprezada por muitos que adquirem ampla formação educacional e profissional mas não têm a habilidade de viver corretamente e de maneira ampla tudo aquilo que conseguiram, já que fracassam por não olhar a vida de forma integral. Caminhos de ruína e fracasso são preconizados na vida de muitos que a desprezam.


A sabedoria é dada aos símplices. A própria Escritura Sagrada confirma isto. Ela é dada àqueles que, na simplicidade e singeleza de suas compreensões sobre a vida e sobre o próprio Deus, entendem suas limitações como seres humanos. Pessoas que aceitaram e compreenderam que precisam da habilidade de adquirir, reter e praticar, em todas as áreas da vida, aquilo que tem realmente valor, que agradará o coração daquele que nos criou para a sua glória e para benefício do próximo e para o bem comum. Sabedoria é base do conceito de sustentabilidade em todos os sentidos da vida.


Precisamos buscar e desfrutar dela das formas mais amplas e abençoadoras ao próximo e à sociedade onde estamos inseridos. Pedir ao nosso Deus que nos dê liberalmente a sabedoria é o caminho e o desafio diário, assim como rogar ao Pai que conceda esta sabedoria também aos governantes que lidam com os rumos de nações. Sejamos sábios e não insensatos, levando a sério e não desprezando sua Palavra na família, na profissão, nos relacionamentos, na igreja e na sociedade onde estamos inseridos e na qual devemos também ajudar na implantação do Reino de Deus. Com sabedoria, administramos e conduzimos a vida em parceria com o Criador. Seja assim.

voltar ao topo